Gestão chinesa deixou o Milan no vermelho em 2017-18

Prejuízo de € 126 milhões (€ 53 milhões a mais do que no último exercício), com alta de 22,7% nos custos, que chegaram a € 354 milhões. Esse foi o balanço da “aventura chinesa” em que o Milan se meteu — e da qual já saiu — na temporada 2017-18.

Curiosamente, as receitas do Milan cresceram na temporada 2017-18, passando de € 212,1 milhões para € 255,8 milhões. Os maiores vetores de valorização foram:

— € 109,3 milhões em broadcasting (alta de € 10,9 milhões);
— e € 35,3 milhões em match day (alta de € 13,4 milhões).

Esses ganhos se explicam pela combinação dos “efeitos” China (que, porém, prometia resultados melhores) e Europa League (já que o diavolo não jogava no Velho Mundo há tempos), e também pela campanha geral do clube na temporada (finalista da CoppaItalia/TIM Cup, apesar do sexto lugar na Serie A TIM e da eliminação nas oitavas da UEL).

As receitas com vendas de jogadores nas janelas de transferências também cresceram: € 42,1 milhões (alta de € 36 milhões); mas esse resultado foi devorado pela gestão do elenco, que foi de € 49,3 milhões. O Milan sofreu, ainda, um baque comercial na rescisão junto à adidas — atualmente, você sabe, o clube veste PUMA —, que afetou os ganhos gerais com roaylties e licenciamentos (de € 18,9 milhões para € 17,8 milhões), e patrocínios (de € 51 milhões para € 44,7 milhões).

“E para o futuro do Milan, dá para ser otimista?” É difícil dizer agora. Por um lado, a nova propriedade — o fundo americano Elliot — recapitalizou o clube em € 170,5 milhões no início de 2018-19, garantindo equilíbrio financeiro. Por outro, se vê às voltas com patrocínios menores e frentes que poderiam gerar mais recursos — como, por exemplo, o sonhado estádio próprio — ainda estão no papel do que em ação.

De certo nesse momento é que, para o Milan, a China volta a ser apenas um mercado de internacionalização. Na gestão, foi um mau negócio.

l

Thiago Zanetin tem 32 anos e é redator publicitário. Fanático seguidor do Hellas Verona, sonha com o dia em que as verdadeiras cores gialloblù da cidade voltarão a brilhar na elite italiana.

Imagens: Divulgação.

l

Siga o Futebol Marketing nas redes sociais: facebook | twitter

Category: Futebol Marketing

Tags:

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial