Juve quer mais da adidas. Mas também faz dinheiro sem ela

Há poucos dias, dissemos que, com base na imensa performance de vendas de Cristiano Ronaldo, a Juventus já estaria — segundo o Financial Times — renegociando o valor de seu vínculo com a adidas, atualmente em € 23,5 milhões por temporada (fora roaylties).

O curioso, é que, pelas bases originais, o valor do acordo entre Juventus e adidas seria de € 29,5 milhões. Mais: esse gap de € 6 milhões foi imposto pela própria Signora. E, acredite, ganhar menos está sendo um bom negócio para o clube.

Para começar a entender, vamos retomar a explicação que demos aqui.

Quando Juventus e adidas formalizaram a parceria, em 2013 (época em que a Nike ainda estava no Allianz Stadium), ficou estabelecido que, além do fee anual de € 23,5 milhões, a marca alemã pagaria € 6 milhões adicionais para assumir o controle do merchandising e licenciamento do clube — que ganharia royalties sobre as vendas.

Ao longo de 2015-16, quando o contrato foi ativado, porém, a Juventus entendeu que poderia aumentar seu volume de negócios se abrisse mão dos € 6 milhões adicionais da adidas e assumisse integralmente as operações de merchandising e licenciamento (como faz o seu companheiro mundial de portfólio, Manchester United).

Assim foi feito. E o resultado pode ser visto no último balanço: mesmo com o faturamento total em queda (de € 562,7 milhões para € 504,7 milhões), as receitas específicas com vendas e licenciamentos saltaram de € 19,2 milhões a € 27,7 milhões. Mais: nessas três temporadas (2015-16, 2016-17 e 2017-18) a margem de ganhos quase dobrou. Às contas:

2015-16: € 13,5 milhões em merchandising e licenciamentos − € 4,3 milhões de custos (aquisição de produtos licenciados para revenda) = € 9,2 milhões de margem;
2016-17: € 19,2 milhões em merchandising e licenciamentos − € 8,29 milhões de custos (aquisição de produtos licenciados para revenda) = € 10,91 milhões de margem;
2017-18: € 27,7 milhões em merchandising e licenciamentos − € 11,4 milhões de custos (aquisição de produtos licenciados para revenda) = € 16,3 milhões de margem.

Acumuladas, as margens de ganhos da Juventus com merchandising e licenciamentos nessas três temporadas chegam a € 36,41 milhões. Se optasse por continuar recebendo o adicional da adidas, a Juventus teria recebido pouco menos do que a metade disso: € 18 milhões (6 + 6 + 6).

É, com o perdão do trocadilho, uma signora visão de negócios. Porque, nesse modelo, a Juventus pode ter como parceira inclusive a própria adidas, mas em contratos à parte. Foi, por exemplo, o que aconteceu no lançamento da camisa #JUVE120. E é o que acontecerá num futuro próximo, quando a COPA FOOTBALL lançar sua coleção retrô licenciada da Juve.

Golaço-aço-aço.

l

Thiago Zanetin tem 32 anos e é redator publicitário. Fanático seguidor do Hellas Verona, sonha com o dia em que as verdadeiras cores gialloblù da cidade voltarão a brilhar na elite italiana.

Imagens: Divulgação.

l

Siga o Futebol Marketing nas redes sociais: facebook | twitter

Category: CamisasFutebol MarketingMercado

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial